Deu Tilt? | Tô Ligado

Deu Tilt?

E aí, deu pala, meu amigo(a)?

Passou do limite? Tá tudo rodando? Vc se segura na cadeira (ou onde der…) e continua tudo rodando? Bateu uma nóia brava e, depois da euforia, caiu numa profunda depressão? Tá passando mal?
Arrependeu-se por algum motivo??? Bem vindo ao clube!… embora acho que não era esse que você gostaria de estar.

Vamos conversar, porque assim não dá mais ok!

O que vc está sentindo?Sensação física ou reação emocional? Descreva pra mim…

Então, temos um problema a resolver. Vamos ser sinceros e honestos um com outro blza?Você chapou mais que devia e agora está pensando “Tô na merda…” falando abertamente.

Nós temos como abrir o assunto e debatê-lo sob diversos aspectos, mas esta parte do site, o “Deu Tilt”, é para a galera que passou dos limites, ou tem passado e tá a fim de buscar outras alternativas, ou até mesmo trocar uma idéia!

Serve também pra quem quiser entender melhor o que se passa com algum amigo, parente, enfim, uma pessoa querida.

Voltando ao papo: quando perdemos o controle, não é nada bom… Por mais que vc esteja dominado por diversas sensações
ditas “boas”, o que se passa contigo não é bom, mesmo que esteja no auge da sensação, entendeu? Sempre o que sobra não é bom!
Arrependimentos, sentimentos sufocados, peito apertado, respiração forte e intensa e a mente a mil… Neste momento pedimos à Deus clemência e ajuda, equilíbrio e discernimento, para conseguirmos, pelo menos passar por essa sem maiores conseqüências, que começa com você mesmo (pela saúde) ou até envolvendo outras pessoas (brigas, discussões e acidentes).

Isso, quando não precisamos de um médico, de um hospital ou até de uma clínica de internação. São vários estágios, cada um pior que o outro, mas calma! Para todos estes há solução, basta vc querer!

Escreva sem medo para gente que vamos fazer o possível para ajudá-lo. Não esqueça de deixar o contato de como o achamos, fique a vontade para fornecer qual achar melhor. E não se preocupe em abrir conosco, as informações aqui são extremamente confidenciais, ficam entre a gente, e claro nossos profissionais. Pode confiar! Clica aqui! Ou você pode escrever no  meajuda@projetotoligado.com.br.

Passou de nível?

A segunda parte desta conversa é o seguinte: se você já “virou a chave”, quero dizer, corrompeu seu cérebro, organismo e alma. E são estes agora lhe pedem sempre algo para compensar a sensação, para aumentar o estímulo ou a estima, eu lhe digo então: “- Cuidado nessa hora! Calcule o pulo, até onde você consegue ir e voltar de boa! Procure administrar isso o mais homeopaticamente possível,ou seja,segura a dose, mantenha uma quantidade de consumo e excitação nos quais possa se controlar; se possível, vá diminuindo-os com o tempo, até que você consiga ficar totalmente limpo por alguns dias.

Eu lhe garanto: quanto menos, menor fissura vc vai ter! O bom da vontade é que ela passa, é só você ocupar a sua cabeça com
outras coisas. É por isso que sempre digo: “Faça algo produtivo sempre, pratique esporte. Parece chavão, mas não é! Busque
atividades que lhe dão prazer. Além disso, trabalhar, fazer um “bico” pra “levantar uma grana” sempre é bom, ajuda a nos manter ocupados e produtivos e conquistar coisas e formas de lazer que só com dinheiro é que vamos ter acesso. Estar com pessoas que estão com o pensamento à frente, preocupadas com o futuro, com os estudos, e que tenham outro tipo de postura sem ser a de “estar sempre doidão” ajuda também, porque, se a turma for muito “junkie” (doidona), aí você vai estar sempre numa rotina nada boa e muito difícil de sair!

DEPOIMENTOS

Quando resolvi parar de beber e fumar um baseado de vez em quando, comecei a curtir a noite e as festas de outro jeito (mais
consciente), encontrei uma namorada que não curtia as drogas (ao contrário as detestava) ela adorava quando eu estava “de boa”, quero dizer, sóbrio, e como ajuda quando encontramos alguém que nos ame e que não curte drogas, no início pode ser chato, mas com o tempo você percebe que foi a melhor coisa que podia ter acontecido, porque ter uma namorada(o) “doidão” só dificulta, aliás nos incentiva.

Aos poucos, comecei a perceber uma grande alteração / transformação das pessoas no decorrer da noite quando iam enchendo a cara. Quem consegue curtir uma festa, um barzinho, shows.. enfim, e se mantém mais centrado possível, percebe o tanto que as pessoas que estão bebendo ou se drogando transformam-se e muitas vezes, em algo que elas mesmas não querem.

Na época eu também não queria “ir mais fundo”, pois é fácil isso acontecer, é só você se deixar levar e entrar nesta “onda”. Depois você começa a ver problemas em tudo, se revoltar com as pessoas e o mundo, e qualquer coisa que acontece e que não lhe agrada, faz você se entregar. Aí não dá, é a hora que você tem para parar pra pensar e analisar sua vida e refletir um pouco nos seus sonhos, metas e desejos e entender que para tal vai precisar ser mais focado do que “locaço”!


Aos poucos fui chegando a um “formato legal”. Hoje bebo, sim, mas de uma forma super comedida e dentro das  possibilidades,dando muito mais valor às pessoas a minha volta e analiso até onde estou tendo uma troca saudável de idéias, informações, casos engraçados, e se estou ao lado de bons e verdadeiros amigos, até mesmo para me abrir, sempre com muita diversão,é claro! O “beck” ficou de lado. Confesso que fumei um na praia com uns amigos depois de dois anos, e, sendo honesto, foi bom, mas nada de maravilhoso como achava, e percebi que os outros dias anteriores àquele foram tão bons ou melhores, e que o fato de ter “dado uns tapas” não melhorou em nada a minha viagem e o meu estado de espírito naquele momento. Aliás, me deu na verdade uma certa “noia”, por conta da namorada e da família, que nem podiam desconfiar, e no mais porque eu iria estragar as minhas férias, que estavam ótimas!

Vários outros depoimentos serão postados aqui com o tempo, participe também envie o seu!


 

Gostou? Convide-nos para sua escola! Descubra o que vem por aí!
Todos os direitos reservados (c) 2012
Kadu, "Mr. Rock" Bárbara "Babi" Marcus "Klaus" Alessandro "Alê" Caroline "Carol" Elisa "Lis"